O que são crimes cibernéticos

A internet é um ambiente muito amplo e plural. Temos uma variedade de sites e benefícios que facilitam e simplificam muitos processos do nosso dia a dia. Praticamente, vivemos só conectados, não é mesmo?! Mas, assim como em todo lugar, estamos cercados de pessoas com má intenção. E, elas podem acabar cometendo crimes cibernéticos.

Você sabe o que é?! Calma! Vamos te explicar tudinho agora. Você vai saber o que são, os tipos diferentes que existem, além de entender como se proteger e denunciar crimes cibernéticos. Confira!

O que são crimes cibernéticos?

Bom, toda atividade ilegal praticada no meio online entra na categoria de crimes cibernéticos. Podem ser desde roubos de informações financeiras até crimes do tipo “pornografia de vingança”, assédio ou bullying.

Para ter acesso às informações, os criminosos – neste caso, hackers – colocam malwares infiltrados em programas ou arquivos. Dessa maneira, quando você baixa ou acessa o documento, o vírus se instala no seu computador.

Assim, informações bancárias, dados pessoais ou arquivos são copiados, e utilizados para fins criminosos, como, por exemplo, roubo, chantagem, ataques ao computador ou às redes.

Esse tipo de golpe pode acontecer com várias pessoas ao mesmo tempo. Não é apenas seu computador que recebe esse malware. Normalmente, eles enviam para vários usuários diferentes, na esperança de muitos abrirem o arquivo infectado.

Todos os crimes cibernéticos podem acontecer tanto com pessoas físicas quanto com jurídicas. Os criminosos miram no maior número de vítima possíveis, e desejam apenas os dados valiosos. É claro, isso acontece quando não é algum tipo de vingança, e o hacker já sabe quem é seu alvo.

Leia também: E-book grátis: conheça tecnologias para deixar a sua casa inteligente

Tipos de crimes cibernéticos

Citamos alguns exemplos no tópico anterior. Mas, agora, vamos aprofundar um pouco mais nesse assunto. O que é essencial você saber para evitar cair em algumas dessas “armadilhas” no meio virtual? Confira.

Os tipos de ataques mais comuns são aqueles que vêm instalados em software, programas ou códigos. Por exemplo, quando você acaba clicando em algum link de um e-mail que recebeu. Esse link pode contar vírus, os quais podem se infiltrar no seu computador. E, uma vez ali, ele ficará copiando as principais informações e as enviando para o hacker. 

Esses dados podem ser do cartão de crédito que você usou para alguma compra online, ou, até mesmo, das suas conta e senha do banco. Além disso, eles buscam informações de CPF ou telefone, para fazer compras ou atos ilegais usando o nome do usuário. 

Também é muito comum que hackers tentem invadir sistemas de empresas, fato que pode causar muitos prejuízos financeiros e, até,  divulgação de informação sigilosa. 

Outros tipos de crimes cibernéticos são os de vingança. Quantas vezes já vimos ex-namorados(as) que publicam as fotos íntimas do parceiro para vingar uma traição? Ou apenas para fazer com que a pessoa não termine o relacionamento? Ou, ainda, como forma de chantagem? Esse tipo de ocorrência acomete, inclusive, personalidades públicas, que têm seus “nudes” divulgados.

Isso significa que os crimes cibernéticos vão além de apenas vírus infectando o computador de um usuário. Como falamos, qualquer ato ilegal que é praticado no meio digital pode ser considerado um crime cibernético. Por isso, a pedofilia pode se enquadrar nessa categoria, já que nela se utiliza o computador para conversar e pedir fotos de menores de idade.

Assédios e bullying online também são considerados crimes virtuais. Além disso, reproduzir injúria, calúnia ou difamação na internet também é crime.

Classificação

Se formos considerar que a internet se popularizou mais no final dos anos 90, estamos falando de uma nova legislação criminal com menos de 25 anos. Isso é muito recente, e, por esse motivo, sua classificação pode ser ainda defasada.

Mas, como esse tipo de crime vem se tornando mais comum do que se esperava, a justiça corre para não deixar brechas na lei. Por isso, existem duas classificações mais comuns para os crimes cibernéticos. Veja:

Crimes cibernéticos puros, mistos e comuns

Para se enquadrar nessa situação, o alvo deve ser o computador da vítima. São os crimes que envolvem invadir o sistema do computador pessoal ou empresarial de alguém. Como demos alguns exemplos: através de softwares, programas, mensagens, etc.

Segundo o direito penal, os crimes cibernéticos considerados puros são quaisquer atos ilegais que tenham como objetivo acessar o computador de alguém, não importando o método pelo qual o hacker promove a invasão.

Já os mistos acontecem quando utilizam a internet para prática de atos ilícitos, como jogos proibidos ou fraudes. Pode ter como objetivo algum bem da vítima, como senhas para realizar movimentações ilegais em sua conta bancária. 

E, por último, os crimes cibernéticos comuns são aqueles em que o computador apenas serve como meio para obter informações, sejam dados bancários, fotos intimas, informações sigilosas, e etc.

Crimes cibernéticos internos ou externos

São crimes internos aqueles em que o hacker utiliza computadores ou a rede de empresas para copiar ou divulgar dados. Ou seja, entra nos softwares da companhia já tendo acesso, ainda que limitado a eles.

Já os externos são quando um computador e/ou rede de fora da empresa é utilizado para a ação, de forma que o hacker consiga acessar as informações contidas lá.

Crimes cibernéticos ativos ou passivos

Esse tipo de classificação se dá para o autor do crime.

Quando alguém invade o computador pessoal de outra pessoa, ele se torna um criminoso ativo. Porém, todos aqueles que compartilham fotos ou dados, que foram obtidos de forma ilegal, são chamados de criminosos passivos.

As classificações citadas aqui, são apenas algumas de muitas que a legislação descreve. Para qualquer tipo de crime, precisamos saber nos proteger, e como proceder caso aconteça. Veja.

Leia também: Conheça os aplicativos de segurança da Claro

Como se proteger?

Há muitas atitudes que podemos tomar para que situações como as citadas acima nunca nos aconteçam. E não precisa se preocupar, pois não são coisas difíceis de se fazer. O processo para se proteger é bem simples.

  • Verifique se sua conexão com a internet é segura. Ela tem uma senha forte? Utilize  caracteres maiúsculos, minúsculos, números e símbolos. Isso dificulta as invasões em sua rede.
  • Além disso, verifique se os passwords que você usa em bancos – e outros sites que contenham informações importantes – são fortes o suficiente, para que ninguém consiga acessá-los. E, também, coloque caracteres variados.
  • Você deve deixar seu software sempre atualizado, seja ele Windows, Mac ou Linux. Também é importante realizar os mesmos procedimentos com os celulares. Essa é uma dica muito valiosa, pois sempre que o sistema se atualiza, traz novas medidas de segurança, garantindo maior proteção ao seu aparelho.
  • Fique atento às redes sociais, pois os criminosos podem usá-las para invadir outras contas suas, além de encontrar dados valiosos. Esteja sempre atento às opções que mostram em quais aparelhos sua conta está ou esteve logada. 
  • Se você tiver muitos dados e/ou informações importantes, considere a opção de usar criptografia. Com elas, temos mais uma proteção, e bem forte, contra possíveis invasões. Você pode usar nas contas ou mesmo no navegador de internet.
  • Tenha sempre um antivírus instalado e atualizado na máquina. Eles alertam e eliminam todos os arquivos suspeitos.
  • E, claro, repasse e converse com seus filhos menores sobre os crimes cibernéticos. Mesmo com a proteção dos pais quanto à utilização de tecnologia, muitas crianças estão expostas às facilidades da rede. E não só com relação à pedofilia, mas, também, à aceitação de arquivos que contêm vírus ou à entrada em sites potencialmente mal-intencionados.

Como denunciar?

Muitas pessoas passam por isso todos os dias. Então, além de se proteger, temos que saber como proceder caso isso aconteça conosco ou com um de nossos parentes. Saiba que existem delegacias especializadas em crimes cibernéticos espalhadas por alguns estados brasileiros.

Além disso, dependendo do acontecimento, você pode acionar a Polícia Federal ou a Confederação Nacional do Comércio. 

  • Fique muito atento às coisas que acontecem com seu computador.
  • Ensine para as crianças da casa quais links são suspeitos e não devem ser abertos.
  • Tente monitorar o uso do computador familiar o mais próximo possível. 
  • Lembre-se bem das nossas dicas e você sempre estará seguro e protegido contra invasores. 

Além disso, nós preparamos alguns conteúdos a mais sobre temas desse tipo. Caso tenha interesse, você pode ler um pouco mais sobre remoção de malware do PC, ransamware, cibersegurança e vírus de celular.

Se você gostou do conteúdo, continue acompanhando nosso blog para mais dicas e novidades!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Contrate via chat