Xiaomi Mi A3: vale a pena comprar?

Os celulares da Xiaomi adquiriram rápida popularidade no mercado brasileiro. A fabricante chinesa, além de estar em crescimento no mercado mundial de smartphones, conseguiu conquistar por aqui uma série de fãs que não deixam a desejar quando comparados aos clientes da Apple que dormem na fila para comprar novos produtos. Um de seus lançamentos mais recentes é o Xiaomi Mi A3.

O smartphone é uma aposta da empresa no segmento intermediário e pode ser encontrado no varejo numa faixa média de preço de R$ 1.200. Aqui você confere todas os detalhes do lançamento para saber se vale a pena investir no novo modelo.

Características do Mi A3

Confira abaixo as principais diferenças entre o Xiaomi Mi A3 e o modelo Mi A2, seu antecessor.

Bateria

Essa, junto com o sistema de câmeras, talvez seja a diferença mais significativa entre o Xiaomi Mi A3 e o Mi A2. O modelo mais recente é uma boa alternativa para usuários que buscam um aparelho com maior tempo de duração de bateria.

Tanto o A2 quanto o A3 podem durar, em condições intermediárias de uso, um dia inteiro sem precisar serem carregados.

Porém, a capacidade de 4.030 miliampere-hora do Mi A3 em comparação aos 3.010 mAh de seu antecessor garante mais algumas horas de uso.

APROVEITE PLANO DE CELULAR POR APENAS R$49,99. CLIQUE AQUI!

Câmera

Existe também uma diferença marcante na capacidade fotográfica dos dois modelos. A fabricante aprimorou o sistema de câmeras adicionando mais uma lente.

No novo modelo, o conjunto triplo tem 48 megapixels (abertura de f/1.79), 8 megapixels (abertura de f/2.2) e 2 megapixels. As duas últimas lentes são uma grande angular, para planos abertos, e um apara captura de profundida de campo.

É uma melhoria significativa quando comparada ao conjunto duplo do Mi A2, que apresenta duas lentes de 12 MP e 20 MP com abertura de f/1.75. Além disso, a câmera frontal também passa de 20 megapixels (f/2.2) para 32 megapixels (f/2.0), garantindo melhores selfies.

Design

A primeira e mais visível diferença entre o design dos dois modelos é o notch — parte superior da tela do celular que costuma abrigar a câmera frontal e o alto falante. Enquanto o Mi A2 contava com um notch retangular, o Mi A3 utiliza um recorte para garantir um melhor aproveitamento de tela. O Mi A2 Lite já era um modelo da Xiaomi com essa região recortada, mas no Mi A3 o notch em formato de gota confere ainda mais espaço à superfície da tela.

A própria tela também é um pouco maior. Pouca coisa: de 5,99 polegadas para 6,08 polegadas. Contudo, a resolução do Mi A3 é inferior. Enquanto seu antecessor apresenta uma tela com Full HD+ (2160 x 1080 pixels), o Mi A3 fica em HD+ (1560 x 720 pixels). É uma diferença significativa e que pode ser notada ao colocar os dois modelos lado a lado.

Também está no display do Xiaomi Mi A3 o sistema de reconhecimento digital, diferentemente do Mi A2 cujo leitor ficava na parte traseira do aparelho.

Outra diferença está nas cores de cada modelo. Enquanto o Mi A2 está disponível em azul, preto e dourado, o Mi A3 pode ser encontrado em azul, preto e branco.

APROVEITE PLANO DE CELULAR POR APENAS R$49,99. CLIQUE AQUI!

Sistema Operacional

Tanto Mi A2 quanto Mi A3 são smartphones que participam do programa de parcerias do Google conhecido como Android One. O primeiro modelo chegou em 2018 com Android 8 (Oreo) e já foi atualizado para o Android 9 (Pie). Enquanto o Xiaomi Mi A3 já foi anunciado com o Android 9 e tem em vista as atualizações 10 e 11.

Ao contrário de outros modelos da Xiaomi que possuem uma interface própria (o MIUI), o Mi A3 e Mi A2 não tem quase nenhuma alteração em relação à interface original, garantindo uma navegação em um sistema operacional que também é conhecido como “Android puro”.

Desempenho

Há pouca diferença na capacidade de processamento dos dois aparelhos. Tanto o processador Snapdragon 665 do Xiaomi Mi A3 quanto o Snapdragon 660 do Mi A2 dão conta com tranquilidade de tarefas mais simples e rodam alguns jogos mais leves cujos gráficos não abusem da potência do celular.

No entanto, o modelo mais antigo ganha nesse aspecto do Mi A3 por oferecer uma alternativa com 6 GB de RAM, enquanto o modelo mais novo está no mercado apenas na opção 4 GB de memória RAM.

Ficha técnica completa

  • Dimensões – 153.48 x 71.85 x 8.47 mm
  • Peso – 173.8 gramas
  • Dual SIM
  • GSM – Quad Band (850/900/1800/1900)
  • Tela – AMOLED com proteção Gorilla Glass 5. Possui 6,08 polegadas e 720 x 1560 pixel
  • Densidade de pixels da tela – 283 ppi
  • Processador – 4x 2.0 GHz Kyro 260 + 4x 1.8 GHz Kyro 260
  • Chipset – Snapdragon 665 Qualcomm SDM665
  • Armazenamento – 64 GB
  • Armazenamento expansível – Comporta um micro SD de até 256 GB
  • GPU – Adreno 610
  • Câmera – Resolução de 8000 x 6000. Traseira tripla com 48 MP (f/1.79) + 8 MP (f/2.2) + 2 MP + frontal com 32 MP (f/2.0)
  • Atributos da câmera – Estabilização digital, autofoco, foco por toque, flash, HDR, localização, detecção facial.
  • Vídeo – 4K / 2160p (Gravação a 30 FPS + SlowMo a 240 FPS)
  • Sensores – Reconhecimento de impressão digital, proximidade, giroscópio, bússola e acelerômetro.
  • Bateria – LiPo 4030 mAh
  • Sistema operacional – Android One 9 Piei

APROVEITE PLANO DE CELULAR POR APENAS R$49,99. CLIQUE AQUI!

A Xiaomi no Brasil

A fabricante de celulares chinesa chegou aqui pela primeira vez em 2015, numa tentativa mal-sucedida que levou a empresa a deixar o país no mesmo ano. Em 2019, a Xiaomi retornou com novos modelos de smartphone e outros produtos. As vendas são feitas em sua loja online, em redes de varejo e em sua primeira loja física no país – localizada em São Paulo, no Shopping Ibirapuera.

Entre os smartphones vendidos, além do Mi A3, estão o Mi 9 e o Redmi Note 7, custando R$4.299,99 e R$1.999,99. Os preços na loja oficial acabam reduzindo o encanto da marca que conquistou muitos fãs no Brasil. Importar ainda sai mais barato. No entanto, quem compra diretamente daqui conta com garantia e assistência técnica prestada pela empresa brasileira DL Eletrônicos, parceira da Xiaomi em seu retorno.

Na faixa de preço que a Xiaomi está cobrindo existem diversos modelos rivais. Alguns intermediários premium da Samsung, por exemplo, como o Galaxy S9 e o Galaxy A70 custam algo em torno do Redmi Note 7 e competem nas especificações técnicas. Além da Samsung, a Xiaomi encontra disputa na Motorola com o One Vision e na colega chinesa Huawei, que também briga pela presença no mercado brasileiro com modelos como o P30.

De acordo com dados da Counterpoint Research, o market share medido aponta a Xiaomi como a quarta colocada no mercado global de smartphones com 9% (32,3 mi unidades). Os números são do segundo trimestre de 2019 e, para a chinesa, representam um aumento de 0,9% em relação ao mesmo período de 2018. À sua frente estão Samsung (21,3%), Huawei (15,8%) e Apple (10,1%).

Pensando em investir em um Xiaomi? No Compara Plano você encontra novidades sobre lançamentos de celulares e tendências no mundo dos smartphones. Atualizamos nosso blog diariamente com artigos sobre tecnologia. Fique ligado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Contrate via chat