Procon lista lojas online acusadas de golpes

A Black Friday 2019 está quase aí, e a promessa de grandes promoções também. Por isso, nada melhor que contar com a fiscalização do Procon, que lista lojas online acusadas de golpes, além de fazer pesquisas individuais de preços e descontos.
Fazer uma lista de desejos e ir acompanhando as ofertas pode garantir que o cliente não seja enganado pela falsa promoção. Isso porque algumas empresas, durante o período da Black Friday, acabam aumentando os valores para maquiar um grande desconto. Aí é prejuízo certo. Por isso, neste outro post damos dicas de como se preparar para a segunda maior data em vendas do Brasil.
Mas para evitar alguns problemas e ajudar o consumidor e escolher onde comprar, o Procon checa constantemente ofertas de produtos e serviços, para confirmar a legitimidade e o compromisso com o Código de Defesa do Consumidor.
Dessa forma, a entidade passou a divulgar, frequentemente, uma lista com os sites não recomendados.
Essas lojas online tiveram reclamações registradas no Procon ou ainda irregularidades detectados pela entidade.
Todas elas podem se manifestar em defesa, justificando a possível falha. Caso não o façam, entram para a relação de empresas não confiáveis.

Evite compras nestas lojas

Confira abaixo parte da lista de lojas para ligar o alerta segundo o Procon:

  • aikade.com
  • aproveitex.com.br
  • baratoajato.com.br
  • baratomania.com.br
  • bbarato.com
  • essencialeletro.com.br
  • centernot.com.br
  • docolmoveis.com.br
  • hipermaisbarato.com.br
  • istoeofertas.com
  • meucelularnovo.com.br
Você pode conferir a lista completa de lojas, que é constantemente atualizada, checando o portal da entidade.

Dicas para comprar sem dor de cabeça

Além de conhecer a lista de sites duvidosos, alguns cuidados são importantes na hora da compra online. A entidade de defesa do consumidor também ajuda com algumas dicas:

Pesquisa

  • É importante o consumidor se cadastrar no site que deseja fazer a compra dias antes da Black Friday, para comparar a possível variação de preços.
  • Para evitar o endividamento, o consumidor não deve se deixar levar pelo impulso e adquirir apenas o que realmente precisa.

Confiabilidade

  • Verifique se o site que está vendendo o produto possui um endereço comercial físico e anote telefones. A empresa também deve ter um CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas). Em caso de dúvida, o comprador deve ligar para o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) que deve ser oferecido no site e solicitar os dados cadastrais do comércio virtual.

Segurança

  • Na hora de efetuar a compra com o cartão de crédito, é importante que o site possua os dados blindados. O consumidor pode verificar isso por meio de um símbolo de um cadeado que aparece no canto direito superior da janela do navegador. Isso significa que é um ambiente seguro e os dados do cartão não serão abertos, o que facilitaria o roubo pelos chamados “hackers”.
  • O endereço da loja virtual deve começar com https://. Se nenhum destes requisitos de segurança online forem preenchidos é melhor esquecer a compra e procurar um site onde eles sejam fornecidos ou uma loja física.
  • Se o consumidor conferir a segurança e finalizar a compra, a loja deve enviar por e-mail um comprovante da compra, onde geralmente consta o número do pedido, descrição dos itens comprados e prazo de entrega.
  • Outra dica importante é que o consumidor nunca faça depósitos bancários em nome de pessoas físicas.
  • Guarde todos os registros de sua compra, como e-mails de confirmação, códigos de localização e de realização da compra. De preferência, utilize como meio de pagamento o cartão de crédito, pois caso haja algum problema é mais fácil de fazer o estorno.

Direitos

  • O consumidor virtual também pode checar no Procon se existem reclamações contra o site que ele pretende comprar e verificar na Junta Comercial do Estado se há denúncias relativas à empresa.
  • O consumidor tem garantido o direito à devolução do produto em até sete dias úteis caso não fique satisfeito com a mercadoria. Isso é chamado de “Direito ao Arrependimento”.
  • Em caso de dúvidas ou reclamações, o consumidor poderá fazer sua reclamação online, através da plataforma www.consumidor.gov.br.

De olho no mercado

A busca por lojas confiáveis em plataformas online de avaliação direta pelo consumidor é outra saída para não ser engando e prevenir problemas futuros.

Receber encomendas erradas, com defeitos ou mesmo comprar em empresas que dificultem as trocas são situações comuns entre os consumidores, mas que podem ser evitadas.

Por isso, além de ter cuidados com itens básicos, conforme orientação do Procon, o ReclameAqui e o Ebit são dois exemplos de plataformas a serem consultadas antes de efetuar uma compra.

ReclameAqui

A empresa começou a atuar apenas com reclamações de familiares e amigos em um pequeno escritório em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Hoje, se transformou em um dos sites mais acessados do Brasil. Segundo informações da empresa, diariamente mais de 600 mil pessoas pesquisam as reputações das empresas antes de realizar uma compra, contratar um serviço ou resolver um problema.

Ebit

A Ebit está presente desde o momento da decisão da compra, em que certifica as melhores lojas por classificação em Diamante ou medalhas, até a satisfação final. Aqui, atua perguntando diretamente ao consumidor como foi sua experiência com cada loja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Contrate via chat