NET é Claro: entenda a fusão entre as operadoras

A NET é Claro oficialmente desde julho de 2019. Contudo, o processo de incorporação da NET ao Grupo Claro não é de hoje. As empresas já atuavam em conjunto oferecendo serviços complementares desde 2011, mas as ofertas eram mais do que uma parceria entre operadoras.

Se você é cliente da NET, talvez tenha se assustado com alguma fatura nos tons vermelhos da Claro chegando por e-mail ou na sua caixa de correio. Você verá, porém, que a mudança é muito mais uma estratégia comercial do que uma medida impactante na vida dos usuários. Neste artigo você confere um histórico sobre as duas operadoras e, agora que a NET a Claro, o que essa fusão de fato representa.

A NET

A NET existe desde 1991, quando começou suas operações com a aquisição de algumas licenças para distribuição de sinais de TV e de algumas operadoras. Iniciou durante os três primeiros anos comprando pequenas operadoras em Campo Grande (MS), São Paulo (SP) e Goiânia (GO).

Em 1993, 30% da NET foi comprada pela Globopar, do Grupo Globo, e pela empresa americana Ralph Partners II. As empresas se uniram ao sócio original Antônio Dias Leite e passaram a investir em conexões por cabo coaxial e fibra óptica, algo ainda novo no Brasil. Nasceu nesse contexto a NET São Paulo, a primeira multioperadora brasileira: distribuição de telefonia fixa e TV por assinatura. 

Em 2004, a mexicana Telmex, atualmente subsidiária do grupo América Móvil, adquiriu parte das ações sobre a NET que eram da Globopar. Em 2010, a Embratel, também subsidiária da América Móvil, comprou 72% das ações. Dois anos depois, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) concedeu à América Móvil o direito de comprar o restante das ações da sociedade Globo Comunicações e Participações, dando à mexicana o controle definitivo sobre a NET.

Além de figurar no topo do ranking de internet banda larga, a NET liderou por muitos anos o mercado de TV por assinatura. Nesse segmento, a operadora foi pioneira em serviços como as transmissões em 3D, por exemplo, em parceria com canais como a Rede Globo e a ESPN para transmissão dos Jogos Olímpicos e outros eventos esportivos.

A Claro

A Claro é a representação comercial no Brasil da América Móvil. De acordo com levantamento da Revista Exame, o grupo mexicano é a empresa mais valiosa em seu país e a sexta na América Latina.

A América Móvil utiliza a marca Claro em vários outros países, como Argentina, Uruguai, Chile e Colômbia, além dos Estados Unidos (com foco empresarial).

No Brasil, além da NET e Embratel, a concessionária herdou a infraestrutura de diversas operadoras e hoje atua nos segmentos de telefonia móvel, telefonia fixa, banda larga e TV por assinatura.

A Claro iniciou suas atividades por aqui em 2003 e, desde então, tem sido destaque principalmente no segmento de telefonia móvel. A operadora foi a primeira a trazer a tecnologia 3G ao Brasil, em 2007, e também pioneira no fornecimento da internet 4.5G, em 2017. Nesse segmento, a Claro ultrapassou a TIM e desde 2017 é a segunda maior operadora de celulares no país, perdendo para a Vivo.

Atualmente, o Grupo Claro, após incorporar NET e Embratel, têm o primeiro lugar com folga entre as operadoras de TV por assinatura. De acordo com dados da Anatel compilados pela Teleco de agosto de 2019, o market share da Claro é de 49,4%. O grupo fica à frente de concorrentes como Sky (29,9%), Oi (9,5%) e Vivo (8,6%).

A empresa também tem relevância no mercado de telefonia fixa, estando com pouca diferença entre as três principais concessionárias.

A fusão da NET e Claro

NET e Claro já atuavam em conjunto desde 2011. Naquele ano, as empresas anunciaram o Combo Multi. O pacote de serviços trazia aos clientes a possibilidade de mesclar produtos das duas operadoras e unir as faturas de internet, TV, telefone fixo e celular. Ligações ilimitadas, maior franquia de internet e aplicativos liberados eram alguns dos benefícios inclusos no combo.

A integração dos serviços entre NET, Claro e Embratel em 2011 foi anunciada pela América Móvil, na época, como apenas uma parceria. Seria uma prestação de serviços complementar por empresas que tinham especialidades e focos em diferentes segmentos.

No entanto, em 2014 a fusão se consolidou após a Anatel aprovar o uso do mesmo CNPJ. No ano seguinte, a Claro passou a ser uma companhia de capital aberto sob a razão social “Claro S.A.”. Ainda assim, a marca da NET foi mantida.

Foi em julho de 2019 que a Claro anunciou oficialmente o fim da NET enquanto uma marca independente. Todos os serviços ofertados pela empresa passaram a fazer parte das ofertas da Claro, desde a TV por assinatura até a banda larga fixa.

Agora a NET é Claro: o que mudou?

A princípio poucas coisas vão mudar na vida dos clientes tanto da Claro quanto da NET. Em vídeo promocional no YouTube, a Claro afirma que “Ninguém vai mexer no seu futebol ou na sua banda larga. Só muda se você quiser”. Segundo a empresa, a estratégia de reunir todos os serviços em um só nome é um movimento que reflete as tendências tecnológicas do setor.

Ao jornal Diário Catarinense, o diretor de marketing da Claro, Márcio Carvalho, esclareceu que a integração é uma questão em primeiro lugar comercial e que a sinergia já estava sendo feita desde 2015. “A ideia agora é deixar tudo mais fácil, mais simples, e ter uma marca mais forte, capaz de oferecer opções integradas para os consumidores”, disse o executivo ao jornal.

Enquanto canais de atendimento deve continuar iguais, os sites, lojas e aplicativos mudaram. O app Minha NET, por exemplo, agora recebe o nome de Claro Residencial. Já o Now, plataforma de streaming on demand, segue como existe atualmente. O programa Claro Clube continua existindo também, mas agora com os descontos oferecidos também aos clientes da NET.

Sem custos adicionais

Não haverá custo aos clientes em função da fusão das empresas. Também não haverá mudança nos planos de TV a cabo contratados nem nos equipamentos nas casas dos usuários, que seguem os mesmos. O valor de nenhum plano, seja de telefonia ou de TV, será reajustado por conta da união da NET e Claro. Os reajustes acontecem de acordo com as políticas comerciais que já foram definidas na contratação.

A programação dos pacotes de canais a cabo continua a mesma, assim como seu conteúdo. Quanto às ofertas e a mudança de clientes da NET para a Claro TV, por exemplo, tudo depende da disponibilidade de infraestrutura. Conforme a região do cliente, pode ou não ser possível a troca. Cada serviço depende ainda da tecnologia disponível naquela área. Nenhuma migração é obrigatória, mas migrar entre a NET e a Claro TV pode resultar sim em custos extra. Isso porque a NET atende por cabo com fibra e a Claro TV é via satélite, sendo necessária uma nova instalação.

Entendeu o que significa a fusão das duas empresas? Saiba que as recentes aquisições da Claro não param por aí, em 2019 a empresa também anunciou a compra da Nextel. Saiba mais sobre isso neste link.

Aqui no Compara Plano você confere todas as notícias relacionadas às operadoras de telefonia, internet e TV. Fique de olho, temos artigos novos postados no blog todos os dias!

2 respostas para “NET é Claro: entenda a fusão entre as operadoras”

    1. Oi, Paulo.

      Anteriormente a NET já era da Claro, mas era uma empresa afiliada. Após a fusão, a Claro comprou a NET e agora são uma única empresa.

      Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *