Saiba o que são as fintechs e por que ganham mercado

Você já ouviu falar das fintechs, as startups que estão revolucionando o mercado financeiro? O termo ainda é um ilustre desconhecido de muita gente, mas é bem provável que ele se torne cada vez mais popular nos próximos anos.

A tecnologia já alterou a forma como nós fazemos muitas coisas – desde ouvir música até se locomover, ver filmes e falar com os amigos. Agora ela está mudando profundamente o modo como lidamos com o nosso dinheiro.

As Fintechs são empresas jovens que vêm se destacando no mercado financeiro graças à inovação e ousadia. Elas comandam uma verdadeira revolução na indústria de serviços financeiros. Muita gente com menos de 40 anos abraçou a ideia de deixar de lado alguns dos serviços (burocráticos e caros) dos bancos tradicionais e passar a resolver tudo em uma empresa muito mais prática, rápida, barata e descomplicada.

Essa turma das Fintechs é liderada pelo Nubank, recentemente eleito a melhor instituição financeira do país e uma das melhores do mundo no ranking World’s Best Banks 2019, promovido pela revista Forbes. Talvez você já tenha visto o cartão de crédito com design clean e cor chamativa do Nubank por aí.

Mas as mudanças propostas pelas Fintechs vão muito além das aparências. Confira abaixo quais são seus diferenciais, que tipo de serviços oferecem e quais suas diferenças em relação aos bancos tradicionais. Depois de ler o nosso texto, vai ser fácil entender por que 76% dos bancos tradicionais consideram as Fintechs uma ameaça.

Saiba mais: Como criar o cartão de crédito virtual no Nubank

O que é Fintech?

A palavra Fintech tem origem na junção de dois termos em inglês: financial (finanças) e technology (tecnologia). São empresas que oferecem serviços financeiros com base em facilidades proporcionadas pelo uso da tecnologia.

Para ser uma Fintech, a empresa precisa ter base tecnológica e modelo de negócio altamente escalável. Em outras palavras, tem que usar tecnologia intensiva para oferecer produtos na área financeira. Inclusive, tecnologia intensiva e escalabilidade são pontos fundamentais para fazer parte da Associação Brasileira de Fintechs.

Mas quando elas surgiram? Tudo começou com um cenário de transformações no setor financeiro. A popularização dos serviços bancários pela internet – em especial pelos dispositivos móveis – tornaram as agências bancárias quase obsoletas.

Novas ameaças de ataques e de fraudes obrigaram as instituições a renovar sua segurança digital, e as tendências como nuvem, Big Data e inteligência artificial têm modificado a forma como os serviços são entregues.

Para piorar, após a crise econômica de 2008, a credibilidade das grandes instituições financeiras internacionais foi posta em xeque, e os consumidores passaram a exigir mais eficiência e transparência nesse tipo de serviço. Foi a tempestade perfeita para que as primeiras Fintechs surgissem nos Estados Unidos e logo chegassem ao Brasil.

Enquanto os bancos enxergaram a internet como uma plataforma de redução de custo, as Fintechs nasceram com outra óptica: como elas não tinham uma estrutura grande nem custos para reduzir, focaram dar uma melhor experiência ao cliente usando esse canal.

Leia também: E-book como economizar: veja aplicativos e dicas para reduzir as despesas diárias

As Fintechs têm diferenciais? Quais são?

É difícil dizer se foram as Fintechs que chegaram no momento certo ou se elas são uma consequência inevitável do mundo moderno. De qualquer forma, podemos listar alguns ingredientes indispensáveis na receita dessas companhias: foco em tecnologia, especialização, inovação e otimização.

 

Foco em tecnologia

A principal característica de uma Fintech é o uso extremamente eficaz da tecnologia. Essas startups se tornaram conhecidas por reunirem todas as suas funcionalidades em plataformas virtuais intuitivas e aplicativos de smartphone. Tarefas que, no passado, exigiam horas de fila, conversa e negociação, agora, podem ser resolvidas em poucos cliques na palma da mão.

 

Especialização

Diferente dos bancos tradicionais, que oferecem uma gama enorme de serviços, as Fintechs se especializam em nichos de mercado. Assim, em vez de tentar abraçar o mercado como um todo, elas concentram seus esforços em áreas específicas para entregar a melhor solução possível.

 

Inovação

Esse segmento de startups talvez tenha sido o que mais trouxe inovações disruptivas para a rotina das pessoas, e não é à toa que elas já são consideradas as principais responsáveis por uma verdadeira revolução financeira que preocupa bancos do mundo inteiro.

 

Otimização

A tecnologia é o grande palco em que as melhorias e os avanços oferecidos pelas Fintechs se desdobram. Porém, o que garantiu o seu sucesso são as facilidades que elas proporcionam aos consumidores.

A maior parte dos serviços oferecidos por essas empresas já é conhecida. O que chama atenção é a maneira como eles são disponibilizados e, principalmente, a otimização no que diz respeito a cadastro, atendimento, usabilidade e resolução de problemas.

 

Quais os tipos de serviços as Fintechs oferecem?

Existem Fintechs focadas em atividades bastante particulares, enquanto outras oferecem um verdadeiro leque de serviços muito parecido com o que é encontrado nos bancos tradicionais, e indo até além.

Confira abaixo as principais soluções financeiras oferecidas pelas startups:

  • Pagamentos – Plataformas de pagamento, máquinas de cartão sem mensalidade, ou cartões de crédito sem anuidade, entre outras vantagens;
  • Crédito – Disponibilização de empréstimos com menos burocracia e juros mais baixos;
  • Controle financeiro – As fintechs são conhecidas por reeducar os consumidores sobre o mercado e a administração pessoal de finanças;
  • Investimentos – Educação de clientes e gerenciamento do seu capital em aplicações;
  • Seguros – Disponibilizam serviços de seguro de forma simplificada por valores muito mais acessíveis em relação às empresas comuns;
  • Crowdfunding – Financiamento coletivo para causas sociais ou projetos particulares;
  • Criptomoedas – Algumas disponibilizam até mesmo plataformas de trader completas para operar Bitcoin e outros criptoativos;
  • Serviços de câmbio e remessas internacionais.

Leia também: Nubank Rewards ganha resgate de milhas para o Smiles

Por que as Fintechs são importantes?

O impacto das Fintechs na indústria de serviços financeiros já é considerável e deverá provocar mudanças significativas no cenário financeiro — e também no modo como lidamos com o dinheiro.

As Fintechs foram consideradas uma ameaça para 76% dos bancos, segundo pesquisa realizada pela PwC, chamada “Customers in the spotlight – How FinTech is reshaping banking”. Ou seja, três em cada quatro instituições bancárias estão preocupadas com o crescimento das Fintechs.

Os grandes bancos têm procedimentos burocráticos internos que atrapalham qualquer tentativa de inovar. Além disso, oferecem uma variedade muito grande de produtos, o que faz com que o investimento em soluções digitais não seja uma das prioridades.

Por isso, o desenvolvimento de sites, aplicativos e canais de atendimento online é visto por eles apenas como redução de custos, e não como forma de oferecer um produto melhor para seus clientes.

Nas Fintechs, por outro lado, a inovação está na alma. Elas já nascem tendo em mente que sites, plataformas e aplicativos são um meio para entregar uma experiência melhor para seu cliente. Todos os seus processos internos, seus produtos e suas plataformas de atendimento são baseados em inovação.

Esse é seu grande diferencial para se destacar no mercado e concorrer com os bancos.

Fintechs x bancos tradicionais

Confira abaixo quais são as principais diferenças entre as Fintechs e os bancos tradicionais.

Fintechs são mais ágeis

Agilidade. Essa é uma das palavras mais citadas por profissionais de bancos tradicionais ao se referirem às Fintechs. Enquanto as Fintechs se movimentam como um barco a vela, de forma fluída e ágil, os bancos são como transatlânticos: qualquer leve mudança de rumo demanda uma grande operação, que envolve várias pessoas, departamentos e processos enraizados.

Fintechs investem em base tecnológica

As Fintechs investem pesado em base tecnológica. Assim, elas conseguem fazer mais por menos. Ao utilizar a tecnologia para descomplicar processos internos, as Fintechs reduzem a necessidade de espaço, já que uma operação 100% online demanda uma estrutura física menor.

Os recursos humanos também são mais enxutos, graças à automação. Por possuírem estruturas menores, as startups financeiras conseguem mirar problemas específicos com mais facilidade e resolvê-los.

Fintechs são mais amigáveis

As Fintechs possuem uma comunicação mais descontraída e amigável, seja no site da empresa, no e-mail, no atendimento telefônico ou presencial. Ser amigável é colocar-se no lugar do cliente e desenvolver processos, produtos e formas de acesso a esses produtos ajustados à necessidade da pessoa.

Saiba mais: Bancos digitais: saiba vantagens e como escolher

Se você gostou do nosso conteúdo e quer saber mais sobre tecnologia, então acompanhe o Compara Plano. Estamos muito felizes em te ver por aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *