Crowdsourcing: entenda o que é e o como funciona

O que é crowdsourcing

Provavelmente você já ficou sabendo de algum concurso cultural para escolher um novo produto ou single de alguma empresa, não é mesmo? A premiação, em geral, envolve algum tipo de benefício financeiro ou o reconhecimento por participação. Pois bem, o crowdsourcing funciona de modo semelhante. Trata-se de um novo meio de produzir e contratar serviços a partir de plataformas digitais.

O termo crowdsourcing vem de crowd (multidão) e outsourcing (terceirização). De modo objetivo, se refere a construção de soluções coletivas (por uma multidão) para problemas e desafios de empresas e outras instituições.

A relação com a terceirização de serviços é por conta das empresas que adotam o modelo para buscar soluções inovadoras com profissionais externos, tais como programadores, designers ou simplesmente, o público da marca.

Para entender melhor o conceito, podemos pensar em um concurso cultural online, por exemplo. Após anunciar o concurso, várias pessoas passam a trabalhar de modo coletivo (embora, seja uma seleção individual) para alcançar o objetivo proposto. Seja a definição de uma frase, nome, ilustração ou o novo serviço de uma empresa.

Da mesma forma, no crowdsourcing, centenas a milhares de pessoas trabalham para alcançar um objetivo em comum, tendo como premiação a remuneração do serviço ou então, o acesso aos dados e informações disponibilizados por outros usuários.

O conceito está totalmente atrelado às ideias de inovação aberta, colaboração nas empresas e à transformação digital – que impõe novos modelos e processos de trabalho.

Leia também: Saiba qual o melhor plano de celular com redes sociais ilimitadas

Como funciona o crowdsourcing?

Existem diferentes modelos de crowdsourcing, mas geralmente os projetos surgem a partir de alguma plataforma digital que permite o compartilhamento de ideias e serviços online. Assim, tanto empresas quanto organizações sociais podem se beneficiar desse tipo de iniciativa.

Um exemplo bem prático é o aplicativo Waze, no qual os usuários indicam em tempo real os pontos de acidentes, trânsito e outras informações pertinentes sobre as estradas para outros motoristas. Nesse caso, não há um fim comercial pela divulgação das informações e nem premiação para quem envia os dados.

É claro, a Waze acaba lucrando pelas propagandas no aplicativo. Mas os usuários colaboram espontaneamente pelos objetivos e vantagens da plataforma.

Se o aplicativo funcionasse apenas a partir das notificações da Polícia Rodoviária, por exemplo, o Waze não teria a mesma eficácia. Com os milhões de colaboradores no mundo todo, a ferramenta amplia o alcance e a velocidade das notificações que beneficiam a todos os usuários.

Mais adiante, fornecemos uma série de exemplos de serviços de crowdsourcing.

Antes, porém, é importante entender que o crowdsourcing é mais do que um modelo de captação de ideias, informações ou contratação de serviços. O crowdsourcing é um novo meio de economia colaborativa, que promove a inovação e o desenvolvimento de serviços disruptivos.

Leia também: E-book como economizar: veja aplicativos e dicas para reduzir as despesas diárias

Quais são as vantagens do crowdsourcing para as empresas?

Por meio do crowdsourcing as empresas podem potencializar seus projetos, adotando ideias e soluções desenvolvidas por profissionais de diferentes áreas e regiões do mundo. Diferente dos modelos tradicionais, em que um funcionário trabalha dentro da organização e por vezes é barrado ao sugerir novos projetos e ideias.

Com o crowdsourcing há ainda a redução de custos e maior velocidade para produção e desenvolvimento de serviços, além da divulgação da empresa e aproximação com o público.

Assim, entre os inúmeros benefícios de contar vários profissionais trabalhando para resolver um mesmo desafio ou problema, podemos destacar:

  • redução de custos;
  • maior variedade de ideais;
  • inovação dos serviços;
  • otimização do tempo de trabalho;
  • maior engajamento do público;
  • marketing indireto, etc.

Exemplos de crowdsourcing

Selecionamos a seguir, alguns exemplos de crowdsourcing. Confira!

1. Istockphoto.com

Plataforma de venda e compra de fotografias, vídeos e ilustrações. Na prática, qualquer empresa, agência ou instituição pode selecionar uma imagem da plataforma, pagar uma taxa e ter o acesso ao arquivo de modo ágil, legal e seguro.

A vantagem está no preço acessível e na variedade de imagens produzidas por fotógrafos do mundo todo que recebem uma remuneração conforme o número de downloads.

2. Threadless

A Threadless é um eCommerce de roupas, acessórios e decoração em que qualquer pessoa pode enviar ilustrações que passam por um processo de seleção e votação.

Se o desenho for selecionado pela comunidade do Threadless, a imagem é estampada nas peças da empresa, e o ilustrador é remunerado com parte do valor das peças vendidas no site.

Além desse processo, o site também realiza desafios específicos em que os vencedores recebem premiações. Ou seja, é um crowdsourcing para artistas e pessoas que buscam produtos alternativos.

3. Wikipedia

A maior enciclopédia digital do mundo é um ótimo exemplo de crowdsourcing sem fins lucrativos. Embora a plataforma faça campanhas de arrecadação de recursos de tempos em tempos, os colaboradores são voluntários, e os usuários não pagam para ler os conteúdo publicados.

Saiba mais sobre a Wikipédia e as regras para publicação dos artigos aqui.

4. We do logos:

Empresa brasileira de design baseada no princípio de crowdsourcing. Na We do logos, os clientes divulgam os escopos e características dos projetos desejados, e os profissionais da plataforma desenvolvem suas ideias.

O projeto selecionado é remunerado. Assim, os clientes têm à disposição várias ideias e modelos de cartões, layout para posts de redes sociais, logomarcas e outros produtos.

A empresa foi criada em 2010, e conta com mais de 130 mil colaboradores, que atendem projetos de todo Brasil.

5. 99designs

Na mesma linha da We do logos, a 99designs é uma plataforma em que é possível contratar designer específicos ou abrir um concurso para que os membros da comunidade possam disputar pelo projeto.

Assim a empresa ou o usuário pode escolher a ideia que mais se encaixa com a proposta do projeto, seja a capa de um livro, um cartão de visitas ou uma logomarca para restaurante.

Vale destacar que embora o site esteja em português, os valores são em dólares. A vantagem é que você contratar profissionais de qualquer lugar do mundo.

Outras plataformas de crowdsourcing

  • Crowdtest: plataforma em português, que reúne pessoas para realizar testes de aplicativos e ferramentas digitais antes do lançamento. Entre as vantagens estão os feedbacks de usuários reais, identificação de erros, e o baixo orçamento (se comparado a outros serviços do gênero). Perfeito para testar o MVP (Produto Mínimo Viável) ou o protótipo de uma empresa.
  • Kaxola: considerada a primeira plataforma oficial de crowdsourcing do Brasil. A Kaxola permite cadastrar ideias criativas e participar de concursos de empresas. Na prática, são lançados desafios como “Qual o nome da nova cerveja do Brasil?” e “Nome para startup de acessibilidade”, do qual participantes de qualquer lugar do país podem enviar sugestões. A ideia selecionada recebe uma premiação.

Profissionais do Livro: plataforma em português que reúne ilustradores, tradutores e outros profissionais que prestam serviços relacionados à produção e publicação de livros. O sistema é bem simples, e é possível escolher qual profissional irá realizar o serviço.

Diferente de outras plataformas de crowdsourcing, em que várias pessoas dão ideias e a empresa ou cliente selecionam um projeto vencedor. Funciona mais como uma plataforma de divulgação de serviços, embora também possa ser considerada uma forma de crowdsourcing.

Em inglês:

  • uTest: plataforma de testes de softwares. Assim como Crowdtest, o uTest é formado por mais de 500 mil pessoas que recebem remuneração pelos projetos de software e hardwares testados. Os testadores formam uma verdadeira comunidade online, na qual são capacitados para identificar erros e problemas em ferramentas digitais de grandes e pequenas empresas.
  • OpenIDEO: plataforma que busca resolver questões socioambientais de ongs e empresas de modo colaborativo. Na OpenIDEO os usuários cadastrados podem propor soluções para problemas ambientais como o desperdício de comida, ou então como acabar com o bullying de pessoas com problemas de saúde. As ideias são selecionadas e o vencedor recebe o subsídio para colocar o projeto em prática.

Gostou do artigo? Então, acompanhe nossas publicações e saiba mais sobre inovação e as principais tendências de TI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *