Celular em SP: operadora de Paraisópolis encara a concorrência

As pequenas operadoras já batem de frente com as gigantes do setor de telecom. É o que mostra um relatório de 2019 de acompanhamento da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). No ramo da banda larga fixa, as operadoras regionais já atingiram 65% dos planos de internet nos municípios com menos de 20 mil habitantes. Falando de celular em SP, é o caso da Paraisópolis Celular, que você confere mais detalhes nesse post.

De fato, o investimento em infraestrutura de rede para municípios menores e isolados geralmente não é atrativo para as grandes prestadoras do serviço. Isso explica, em parte, o domínio dos provedores menores.

Entre as cidades com menos de 5 mil habitantes, esse domínio chega a 75%. Para o Brasil todo, o market share das pequenas provedoras de internet fixa chegou a 33,9%, segundo dados de consultoria da Teleco. 

Por outro lado, na telefonia móvel, Oi, Claro, Tim e Vivo ainda dominam o mercado. Ainda assim, existem exemplos de pequenas operadoras que nascem para cobrir uma área deixada de lado pelas gigantes do setor.

Como falamos acima, nesse post, você vai conhecer o caso da Paraisópolis Celular, uma operadora de celular em SP que vende planos personalizados para a comunidade do bairro paulista.

Leia mais: Reclamações Anatel: como fazer?

Paraisópolis Celular: a operadora da segunda maior comunidade paulista

A Paraisópolis Celular foi criada pela União de Moradores de Paraisópolis, associação de moradores da comunidade que possui mais de 100 mil habitantes. Lançada em novembro de 2019, em apenas um mês a operadora já contava com quase 1.500 usuários ativos.

A prestadora nasceu com o objetivo de atender as necessidades mais específicas dos moradores da região, muitas vezes incompatíveis com os planos e condições das grandes operadoras do mercado. 

Em entrevista ao portal de notícias G1, a empresa Dry Company, que atuou na criação do projeto, alega que a fatia de mercado das comunidades ainda é pouco reconhecida.

De acordo com o diretor de negócios da Dry Company, Ronaldo Yoshida, a Paraisópolis Celular enxerga o potencial gigante de atuar na comunidade mas preza pelo lado social, oferecendo oportunidade aos moradores da região com serviços a preços acessíveis.

Associação de bairro é a responsável

A empresa é quem fornece a estrutura da rede de telefonia, o funcionamento da loja oficial dentro do bairro e o suporte técnico. A associação comercial dos moradores é responsável pela experiência dos clientes e comunicação do serviço.

Parte da renda obtida pela Paraisópolis Celular é convertida em apoio a projetos sociais dentro da própria comunidade.

Leia mais: Descubra qual o melhor plano de internet, celular e TV no Compara Plano

O banco e a moeda próprios de Paraisópolis

A Paraisópolis Celular não foi a primeira experiência de instituição comunitária como uma alternativa para facilitar a vida dos moradores da comunidade. Em 2018, a União dos Moradores e do Comércio de Paraisópolis estudou a criação de um banco comunitário gerido pela própria associação com uma moeda própria, a Nova Paraisópolis, que seria impressa e circularia apenas no próprio bairro.

O objetivo seria garantir microcrédito com taxas de juros inferiores para os moradores da região, evitando as altas cobranças das grandes instituições financeiras.

A iniciativa acabou não vingando, mas os bancos comunitários já passam de 100 instituições por todo o Brasil e chegaram a movimentar R$ 40 milhões de 2016 a 2018, segundo a Rede Brasileira de Bancos Comunitários.

Leia mais: Saiba o que são as fintechs e por que ganham mercado

Os planos da Paraisópolis Celular

Até o momento, a Paraisópolis Celular oferece apenas chips pré-pago. Os planos vão de R$ 20 a R$ 75, com internet de 1.5 GB a 15 GB. Os pacotes também incluem WhatsApp sem limite de uso e acúmulo de benefícios caso o usuário não utilize toda a capacidade do mês. 

Os principais planos também garantem ligações ilimitadas: a função mais utilizada pelos usuários da operadora. Segundo Yoshida, em entrevista ao site UOL, após quatro meses de funcionamento já foi possível traçar um perfil dos clientes da prestadora.

Ele aponta que 53% da população de Paraisópolis têm parentes nas regiões norte e nordeste do país e que, por muitos não possuírem celulares sofisticados, a principal forma de comunicação são as ligações em vez da internet.

Celular SP: market share da telefonia móvel no estado

Como você viu acima, se por no ramo da banda larga fixa as pequenas prestadoras aparecem em larga escala, no mercado da telefonia móvel a concorrência ainda fica entre as grandes operadoras.

Esse cenário pode ser observado tanto no Brasil quanto apenas no estado de São Paulo. A Paraisópolis Celular está inserida entre as MVNO (Mobile Virtual Network Operator) e, segundo dados da Teleco, de fevereiro de 2020, aparece no fim da lista do market share de celular em SP para telefonia móvel com pouco menos de 800 mil aparelhos.

A sigla em inglês para Mobile Virtual Network Operator corresponde a um tipo de operadora móvel com rede virtual, também chamada com frequência de “operadora móvel virtual”. Ela funciona de forma idêntica às operadoras convencionais, com a diferença de que não possui a sua própria rede de frequência.

Para enviar dados e garantir os serviços dos clientes, essas prestadoras utilizam a rede das operadoras interessadas em realizar uma parceria de negócios.

Parcela ainda é pequena

Ainda sobre os dados de fevereiro, no estado de São Paulo, os 800 mil celulares das MVNO representa 1,2% do mercado, ficando na última colocação do ranking ao lado da Algar, que figura na lista com a mesma porcentagem.

O market share da telefonia móvel paulista é liderado atualmente pela Vivo, com 24 milhões de aparelhos (36,9% do mercado). Na sequência estão Claro, TIM, Oi e Nextel, respectivamente com 16,4 milhões, 15,4 mi, 6,6 mi e 2,1 mi de smartphones.

Leia mais: Algar Telecom se separa da Algar TI

Dicas de planos e pacotes

Tendo o estado de São Paulo como referência, separamos os principais planos de algumas operadoras em atividade para você. Hoje vamos destacar duas opções: o TIM Controle e o Claro Controle.

Um dos planos mais populares da TIM é o TIM Controle 7.5 GB, por R$ 54,99 ao mês. O pacote conta com 4 GB + 3.5 GB de bônus possíveis de se contratar através de algumas opções no momento da adesão, como o débito automático em conta.

Nele, WhatsApp, Facebook Messenger, Telegram e Waze são gratuitos e não consomem seus dados. Além disso, você tem acesso sem desconto por três meses ao app do Facebook, Instagram e Twitter. As ligações aqui também são ilimitadas.

Confira todos os pacotes da TIM de celular em SP. 

Como opção da Claro, você encontra o plano Controle 5 GB. Por 12 meses na portabilidade você leva mais 5 GB de bônus. O pacote sai por R$ 64,99 menais. Os planos da Claro Controle vão de 3 GB a 100 GB, custando de R$ 49,99 mensais a 389,99 em momentos viáveis.

Veja aqui todos os pacotes da Claro para celular em SP.

Fique de olho em nosso blog do Compara Plano e não perca as publicações diárias com dicas e curiosidades sobre tecnologia, planos e pacotes de operadoras, direito do consumidor e muito mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Contrate via chat